Nostalgia: relembre os sons de inicialização do Windows

Windows

No dia 24 de agosto de 1995 a Microsoft apresentava ao mundo o Windows 95. Isso significa que neste ano uma das versões mais populares do sistema operacional da empresa de Redmond comemora seu 20º aniversário. Considerado um dos SO mais influentes de todos os tempos, é incrível pensar que já faz duas décadas desde sua estreia.

Viajar pela história do Windows, desde o seu nascimento até o esperado lançamento do Windows 10, nos faz ver como as cosias mudaram, incluindo a evolução do Menu Iniciar, mas poucas coisas mudaram tanto quanto os efeitos sonoros do sistema operacional.

Depois de celebrar este aniversário tão importante para o mundo da tecnologia com uma lista de 10 curiosidades sobre os 20 anos do Windows 95, chegou a vez de mostrar o caminho trilhado pelo sistema da Microsoft por meio das diferentes versões de sons utilizados durante a inicialização da plataforma. Confira a “história sonora” do Windows.

Windows 3.1 (1992)

Em maio de 1990 a Microsoft anunciou o lançamento do Windows 3.0, seguido rapidamente pelo Windows 3.1, em 1992. Juntos, eles venderam 10 milhões de cópias nos dois primeiros anos, tornando o Windows o sistema operacional mais usado até então. Pode-se dizer que estas foram as primeiras versões do Windows, pelo menos na forma que a maioria das pessoas entendem o sistema operacional.

O som de inicialização do Windows 3.1 é certamente o mais primitivo de todos. Ele soa exatamente como um efeito que surgiu numa época em que as pessoas ainda estavam descobrindo como fazer sons digitais de qualidade.

Windows 95 (1995)

O Windows 95 estabeleceu um novo recorde para a Microsoft e para o mercado de tecnologia: 7 milhões de cópias vendidas nas primeiras cinco semanas. Os comerciais de televisão do sistema operacional traziam os Rolling Stones cantando “Start Me Up”, com imagens do novo botão Iniciar. Além do menu Iniciar, o Windows 95 marcou a primeira aparição da barra de tarefas e dos botões “Minimizar”, “Maximizar” e “Fechar” nas janelas.

Em relação ao som de inicialização do Windows 95, é importante dizer que ele também tem sua própria história. Quando esta versão do sistema foi desenvolvida, os executivos encomendaram ao músico, compositor e produtor musical britânico Brian Eno a criação de um áudio para ser executado durante a inicialização do SO.

Eno é conhecido por ser um dos pioneiros da ambient music, faixas longas com sons que ficam no “limite entre melodia e textura”. O músico também é muito conhecido por seu trabalho como produtor de grandes nomes como Talking Heads, U2, David Bowie, Coldplay, entre outros.

Mas a encomenda da Microsoft pedia algo mais curto, “inspirador, universal, otimista, futurista, sentimental, emocional”, como descreveu o próprio compositor ao citar o pedido da empresa. O detalhe é que todos esses adjetivos deveriam ser transmitidos por um som com apenas 3,25 segundos de duração.

Eno acertou em cheio na criação de um dos efeitos sonoros mais memoráveis da história da computação moderna. Uma curiosidade: ele criou o tema usando um Mac. “Eu nunca usei um PC na minha vida; eu não gosto deles”, revelou em uma de suas entrevistas.

Windows 98 (1998)

Lançado em 25 de junho de 1998, o Windows 98 é a primeira versão do Windows projetada especificamente para os consumidores e a última versão baseada em MS‑DOS. O som de inicialização desta versão do sistema é mais arejado, sublime e triunfante do que seu antecessor, mas ainda assim ele precisa de um pouco mais de personalidade.

Se comparado ao áudio do Windows 95, que foi feito sob encomenda e envolveu todo um processo criativo, podemos dizer que o som de inicialização do Windows 1998 ficou um pouco genérico e poderia facilmente ser associado a qualquer outra marca.

Windows ME (2000)

O Windows Millennium Edition, ou ME, foi lançado pela Microsoft em 14 de setembro de 2000, sendo o sucessor do Windows 98. O suporte ao cliente do Windows ME foi de apenas 6 anos, terminando em 11 de julho de 2006. Esta versão do sistema foi considerada por muitos como um dos maiores erros da empresa de Redmond de todos os tempos no campo de sistemas operacionais.

Entre diversos problemas com software, incompatibilidade de hardware e clientes insatisfeitos, o Windows ME também teve o seu próprio som de inicialização e não poderia ficar de fora desta lista.

Windows XP (2001)

Em 25 de outubro de 2001, o Windows XP foi lançado em 25 idiomas. Para a Microsoft, esta versão do sistema operacional se tornou um de seus produtos mais vendidos nos anos seguintes, entre outros motivos, por ser mais rápido e estável que seus antecessores. Durante muitos anos ele deteve o título de “sistema operacional mais popular do mundo”.

Apesar do som de inicialização do Windows ME não ser tão ruim quanto o sistema em si, quem chegou para bater de frente com o Windows 95 em termos de áudio marcante foi o Windows XP. Considerando seu longo tempo de reinado, é fácil dizer por que o som do Windows XP atualmente é mais reconhecido do que o som do Windows 95.

Windows Vista (2007)

O sucessor do Windows XP trouxe consigo uma grande modificação em termos de design, com a introdução de janelas transparentes e curvas mais sutis. Apesar do Vista não ter caído completamente nas graças do público, seu som de inicialização se tornou amplamente conhecido por também ser utilizado no popular Windows 7, que não teve um som de inicialização para chamar de seu.

Em relação à criação do efeito sonoro, Steve Ball, que liderou a Equipe de Som do Windows para o Vista, explica que houve algumas boas intenções por trás do design de som do sistema.

“Os sons do XP foram projetados para complementar o ambiente de trabalho ‘foto realista’ Bliss. Os sons do Windows XP também são bastante percussivos e dissonantes no contexto do dia a dia do PC, por isso reorquestrar o padrão de sons do Windows Vista foi uma meta explícita para complementar os temas mais suaves e limpos e os elementos da interface do usuário no Windows Vista”, explicou Ball.

Ele ainda comentou que a Microsoft queria dar a impressão de que os sons do esquema de janelas fossem feitos com vidro. Neste contexto, os usuários deveriam notar uma correlação entre os sons e os efeitos transparentes de vidro na interface do sistema.

O som de inicialização sempre foi uma característica do Windows, mas o Windows 8 não trouxe mudanças nesse aspecto. O mesmo se aplica ao recém-lançado Windows 10. Será esse o fim do legado do som de inicialização do Windows?

Coleção completa 

Aqui é possível ouvir a coleção completa de sons de inicialização e de encerramento desde o primeiro Windows até o Windows 8.1. Confira:

Fonte: Canaltech

Como redimensionar partições no Windows 10

HD

O Windows 10 chegou com tudo, arrebatando corações, colocando quem tinha versões piratas do sistema da Microsoft na legalidade e apresentando uma série de novidades para todo mundo.

Algumas coisas, porém, continuam basicamente iguais ao que eram em outras edições do SO — e a ferramenta para redimensionamento de partições é uma delas. Se por acaso você não está satisfeito com a divisão dos discos rígidos de seu computador, não precisa esquentar a cabeça, pois mudar isso é algo muito simples.

Antes de começar, vale sempre lembrar que modificar uma partição pode ocasionar em perda de dados. Então, se você não quer ser surpreendido de forma negativa, o mais apropriado é fazer um backup dos arquivos essenciais presentes na partição que será modificada.

Passo 01

Clique com o botão direito do mouse sobre o novo menu Iniciar. No menu que abriu, escolha a opção “Gerenciamento de Disco”.

Redimensionar partição Windows 10

Passo 02

Na janela que se abriu, você vê uma tela com informações sobre disco rígido ou SSD instalado em seu PC.

Redimensionar partição Windows 10

Clique com o botão direito do mouse sobre a partição que deve ser redimensionada e então selecione a opção “Diminuir volume”.

Redimensionar partição Windows 10

Lembre-se que primeiro é necessário diminuir o volume de um dos discos para depois particioná-lo, afinal o espaço é limitado e precisa ser realocado.

Passo 03

Na tela que se abriu, analise as informações e defina quanto será reduzido desta partição.

Redimensionar partição Windows 10

Clique em “Diminuir” para confirmar e aguarde até que todo o processo seja concluído.

Passo 04

Para aumentar uma partição, clique sobre ela com o botão direito do mouse e então vá em “Estender volume”. Então, é só definir quanto será aumentado e seguir o procedimento conforme exposto na tela de seu computador.

Fonte: Canaltech

Google libera pacote de correções para falha que afeta 95% dos aparelhos Android

Android

Na semana passada, especialistas em segurança anunciaram a descoberta de uma nova falha que afeta praticamente todos os aparelhos (95%) equipados com Android. Batizada de Stagefright, a vulnerabilidade pode infectar os dispositivos com uma simples mensagem de texto. A boa notícia é que o Google começou a liberar nesta quarta-feira (5) os primeiros patches que devem corrigir o bug.

De acordo com Adrian Ludwig, engenheiro-chefe de segurança do sistema operacional, os primeiros gadgets que receberão esses updates são os tablets e smartphones da família Nexus, que a partir de hoje serão atualizados. Outras fabricantes também já receberam as correções, que serão disponibilizadas em código-aberto, segundo Ludwig, que participou da conferência Black Hat, na qual pesquisadores do mundo todo se encontram para compartilhar informações sobre segurança digital.

Além da linha Nexus, os dispositivos Android mais recentes e populares do mercado poderão baixar a atualização agora em agosto. A lista inclui os modelos Samsung Galaxy S6 Galaxy S6 Edge, Galaxy S5, Note 4 e Note 4 Edge; HTC One M7, One M8 e One M9; LG G2, G3 e G4; e Sony Xperia Z2, Xperia Z3, Xperia Z4 e Xperia Z3 Compact. Como outras empresas que usam a plataforma móvel do Google também fazem bastante sucesso, como Motorola e Lenovo, é de se esperar que a correção chegue em breve nos celulares dessas companhias.

Outro anúncio feito por Ludwig é que a próxima  versão do Messenger, o aplicativo de SMS do Google, ganhará uma nova opção que vai permitir controlar os arquivos de mídia recebidos que podem ou não rodar automaticamente no aparelho. Dessa forma, o usuário pode apagar uma mensagem caso ela tenha um conteúdo suspeito. O engenheiro também recomenda que donos de dispositivos com Android Jelly Bean ou superior atualizem desde já o app padrão de mensagens de texto pelo Messenger.

“Segurança sempre foi um dos principais focos para Android e Google Play. Desde o primeiro dia, nosso sistema foi desenvolvido tendo segurança como uma prioridade. O modelo de desenvolvimento do Android garante que os aplicativos funcionem de maneira independente um do outro e também do restante do dispositivo. Então, se o dispositivo possui um aplicativo com malware ou um problema técnico, eles não poderá impactar outros apps ou causar um dano mais grave ao sistema”, destacou Ludwig.

“Estas medidas de segurança têm mostrado resultados muito positivos: menos de 0,15% dos dispositivos Android que instalaram aplicativos somente a partir do Google Play possuem algum tipo de app potencialmente malicioso”, completou.

Ainda segundo o engenheiro do Google, a partir desta quinta-feira (6), todos os dispositivos Nexus (4, 5, 6, 7, 9, 10 e Player) receberão atualizações mensais focadas exclusivamente em segurança. O primeiro pacote de correções sai ainda hoje.

Fonte: Canaltech

Do Windows 1.0 ao Windows 10: veja como o sistema mudou nestes 30 anos

Windows XP

Em pleno século 21, é quase que impossível um indivíduo ligado em tecnologia nunca ter ouvido falar e jamais ter sequer utilizado o Windows pelo menos uma vez. O sistema operacional da Microsoft está presente em todos os aspectos da nossa vida, seja no trabalho, escola, em casa e em estabelecimentos que frequentamos.

Apesar de ocupar posição de liderança no mercado, a companhia está prestes a colocar o Windows em uma nova era com o lançamento do Windows 10, que muda a maneira como o software é distribuído, além de colocá-lo em par com as novas tecnologias e tendências do mercado – conectividade, mobilidade, nuvem, integração.

Mas, para chegar até aqui, foi um longo caminho, iniciado em 1985 com o Windows 1.0. De lá para cá muita coisa (muita mesmo) mudou e fizemos uma coletânea descrevendo esses 30 anos de transição do sistema.

Windows 1.0

Windows 1.0

O Windows 1.0 foi onde tudo começou, lançado em 1985. Até sua chegada, os sistemas operacionais funcionavam apenas em modo texto e este foi o primeiro a oferecer uma interface gráfica em cima do modo texto (MS-DOS) de maneira que qualquer pessoa pudesse interagir com o sistema sem precisar digitar comandos no terminal. Para os padrões de hoje ele pode parecer feio, simples e antiquado, mas saiba que foi extremamente importante por introduzir ao mundo conceitos que hoje são completamente normais como menus que caem ao serem clicados, a utilização de uma seta para apontar e clicar em elementos, barras de rolagem e as janelas.

O nome Windows significa janelas e, curiosamente, foi escolhido de última hora. O nome original era “Interface Manager” ou “Gerenciador de Interfaces”, mas escolheu-se (sabiamente) o que já conhecemos porque soava melhor. Quer rir um pouco? Então veja o Steve Ballmer, ex-CEO da empresa, tentando vender o Windows 1.0.

Windows 2.0

Windows 2.0

Se você reparar bem, as janelas da interface do Windows 1.0 não se sobrepunham. O Windows 2.0 chegou em 1987 trazendo essa funcionalidade, o que provocou um processo por parte da Apple alegando que a Microsoft havia copiado o sistema da empresa da Maçã – a Apple perdeu a briga. Capaz de rodar sem um disco rígido, o 2.0 se tornou mais popular do que o antecessor.

Windows 3.0

Windows 3.0

Foi com o Windows 3 que o sistema realmente começou a decolar e ganhar espaço. Lançado em 1990, ele veio com uma interface reformulada, delineando o padrão visual que convivemos por muitos anos até a chegada do Windows 8. Além do visual renovado, ele trouxe diversas melhorias como suporte a drives de CD e placas de som, além de vir pré-instalado em discos rígidos, ocupando “monstruosos” 5 MB. Além disso, o Windows 3.0 introduziu softwares importantes como o Bloco de Notas, um editor de texto e o clássico Paciência.

Windows 95

Windows 95

Lançado em 1995, o sistema foi um marco na história da Microsoft, do próprio Windows e, quem sabe, até da humanidade. A interface gráfica, mais refinada do que nunca, praticamente não mudou visualmente até a chegada do Windows XP e em comportamento até o Windows 8 em 2012. Nesta versão, a Microsoft introduziu o Windows Explorer e a barra de tarefas, presentes até os dias de hoje e que não devem desaparecer tão cedo. Importante notar o Internet Explorer na captura de tela. No entanto, ele não vinha instalado por padrão, mas era possível adquiri-lo em um pacote de atualização chamado Plus.

Windows 98

Windows 98

O Windows 98 foi lançado em 1998, como o nome sugere, e trouxe vários avanços em relação ao 95, apesar de não ter sofrido mudanças visuais significativas. Importante mencionar o suporte a dispositivos USB e múltiplos monitores e a chegada do Internet Explorar já instalado por padrão – foi aí quando começou a derrocada do Netscape. No ano seguinte, a Microsoft lançou o Windows 98 Second Edition (SE), que corrigiu vários bugs da versão anterior.

Windows ME

Windows ME

Na virada do milênio a Microsoft introduziu o Windows Millenium Edition (ME). O software foi meio que um fiasco para a empresa e 1 ano depois foi substituído pelo Windows XP. O ME oferecia um boot mais rápido do que os anteriores, mas isso fazia com que programas mais antigos baseados em MS-DOS não funcionassem mais. O Windows ME era voltado para usuários domésticos e o Windows 2000 era a versão para negócios.

Windows XP

Sim, isso que você acabou de ver era uma propaganda da Microsoft com Steve Ballmer tentando vender o Windows XP. Lançado em outubro de 2001, o sistema fez história e ainda é um dos mais utilizados no mundo, atrás apenas do Windows 7 e Windows 8, e isso somente porque a empresa descontinuou o suporte técnico a essa versão recentemente.

Sua característica mais marcante, à primeira vista, foi o visual caprichado, com cores vivas, a montanha verde com céu azulado, a barra de tarefas azul e os demais elementos que marcaram uma nova era no design do sistema. Além disso, unido aos avanços de hardware e softwares de terceiros, tornou-se uma versão extremamente confiável para as mais variadas atividades e, hoje, 14 anos após seu lançamento, ainda temos milhões de estabelecimentos rodando o XP em seus computadores.

Windows Vista

Windows Vista

Lançado em 2007, o Windows Vista foi um dos maiores fiascos da empresa. Apesar de ter um visual bastante refinado, com transparências e efeitos especiais em 3D, o sistema não decolou por causa de inúmeros atrasos e problemas técnicos. Além disso, ele não oferecia nenhuma vantagem significativa sobre o Windows XP, que ainda era muito bom e confiável.

Windows 7

Windows 7

Após o fracasso do Windows Vista, a empresa lançou o Windows 7, que veio para salvar a pátria. Depois do XP, o 7 foi o sistema da “zona de conforto” dos usuários, já que oferecia um visual bem agradável e desempenho e confiabilidade nos mesmos níveis do Windows XP. Com o encerramento do suporte à versão antiga, o Windows 7 passou a ser o sistema operacional mais utilizado do mundo e atualmente conta com pouco mais de 60% de participação no mercado.

Windows 8

Windows 8

Tudo ia bem com o Windows 7, mas, em 2012, a Microsoft colocou os pés pelas mãos em uma aposta que não deu muito certo: eliminou o Menu Iniciar e empurrou goela abaixo dos usuários os “Live Tiles”, quadrados vivos que continham programas e exibiam informações relevantes em tempo real, em uma interface voltada para dispositivos com tela sensível ao toque.

O problema é que quase ninguém possui uma tela do tipo e a maioria já está acostumada a trabalhar bem com os bons e velhos teclado e mouse. Além disso, a falta do Menu Iniciar deixou muita gente perdida, o que contribuiu para a alta taxa de adoção do Windows 7. Resultado: o Windows 8 foi um fiasco.

Windows 10

Windows 10

O Windows 10 é a promessa da Microsoft para introduzir aos usuários o sistema operacional do futuro. A empresa não só vai resolver os problemas que arrumou com o Windows 8 – o Menu Iniciar estará de volta e melhor do que nunca – como também conectará todos os dispositivos da Microsoft juntos, formando um ecossistema completo que interage entre si, com smartphones, tablets, computadores e videogames funcionando em conjunto. Até Android e iOS vão entrar na história.

Confira este vídeo com as principais funcionalidades e recursos do próximo sistema operacional da Microsoft.

Fonte: Canaltech

Dmail: serviço permite que e-mails enviados sejam apagados a qualquer momento

Desfazer envio de email

Muitas pessoas já passaram pelo arrependimento de ter mandado algum e-mail que não deveriam ou até mesmo pelo drama de tê-lo enviado para a pessoa errada. Quando isso acontece no Gmail, é possível cancelar o envio em até 30 segundos. Inclusive, recentemente, esse recurso foi liberado para todos os usuários.

Mas agora um novo serviço mostra ser mais eficiente do que a opção padrão da plataforma de e-mail do Google. Batizado de Dmail, o recurso oferece ao usuário a possibilidade de revogar o acesso a qualquer e-mail a qualquer momento. Em breve, ele também deve ser capaz de impedir que os destinatários encaminhem a mensagem para outros contatos.

Como usar

O Dmail funciona como uma extensão do navegador Google Chrome e pode ser instalado aqui. Mas atenção, o serviço só vai funcionar para os e-mails que forem enviados a partir da data de instalação do complemento.

Uma vez instalado, basta acessar o Gmail e abrir o envio de um novo e-mail. Em seguida, como mostra a imagem abaixo, o usuário pode ativar ou desativar o uso do Dmail na mensagem. O botão fica azul quando ativado e cinza quando desativado. Também é possível selecionar o tempo de duração do e-mail para “nunca”, “1 hora”, “um dia” ou “uma semana”. Caso o usuário opte por não selecionar essa opção, não tem problema, pois o e-mail pode ser apagado quando o remetente quiser.

Dmail

Então, o usuário vai receber a mensagem com uma barra azul linkável no rodapé, que informa que o e-mail foi enviado através do Dmail. E para deletar a mensagem, basta ir na pasta “Enviados”, abrir a mensagem e clicar no botão “Revoke Email”, que fica no canto superior direito.

Dmail

Caso o destinatário tente abrir um e-mail que já foi deletado, ele vai visualizar uma mensagem informando que ele foi excluído.

Por enquanto o Dmail só está disponível para o Gmail e em breve deve chegar em forma de aplicativo para o iOS e Android.

Fonte: Canaltech Corporate

Conheça os principais instrumentos de comunicação do síndico

Apesar do avanço das novas ferramentas, meios tradicionais ainda são eficientes contra os vizinhos desavisados.

Comunicar é um dos grandes desafios do síndico. Para ajudar os novatos nessa área, separamos alguns dispositivos que ajudam na administração de um condomínio. De acordo com o doutor em comunicação Pedro Paulo Procópio, é indispensável para um administrador ter bons dispostivos de comunicação, em especial aqueles que garantam mais interlocução e democracia entre os moradores. “Acima de tudo, a comunicação tem que ser horizontal, com linguagem direta, objetiva e deve estar onde as pessoas estão”, explicou.

Confira os principais métodos de comunicação do síndico com os moradores:

1. Circular –  Um dos meios mais tradicionais nos condomínios, a carta ou circular é um documento periódico em que estão disponíveis as principais informações da administração, como prestação de contas, convocações de assembleia, alterações no corpo de funcionários e cobranças de taxas;

2. E-mail: É notório que o correio eletrônico assumiu o espaço das antigas correspondências. É um dispositivo que é acessado diariamento pelos moradores e garante uma ampla condição de trocar informações, podendo usar imagens, vídeos e gráficos na hora de repassar para os moradores o relatório da administração;

3. WhatsApp – Considerado ainda um dispositovo de entretenimento, o WhatsApp ganha, aos poucos, uma usabilidade também profissional. No caso dos condomínios, ele serve para a troca de informações mais emergenciais, como problemas de vazamento, questões de segurança, reforço das datas de assembleias e funciona também como uma espécie de livro de ocorrências eletrônco. Alguns síndicos garantem que ferramento agilizou o procedimento de respostas aos moradores;

4. Página a Web –  Dispositivo de maior custo, é muito utilizado em condomínios de grande porte, em que o número de moradores é maior e a comunicação precisa ser mais cautelosa;

5. Quadro de aviso  – Também presente no grupo dos meios mais tradicionais, o quadro de aviso também é bem eficiente e tem um alcance razoável de comunicação com os moradores e com os visitantes.

Fonte: Lugar Certo

Teste: descubra qual é o smartphone Android ideal para você

Moto G

Escolher um dispositivo Android para chamar de seu pode ser uma tarefa difícil, afinal existe uma enorme variedade de aparelhos disponíveis nas lojas. Mas como saber qual deles é o certo para você?

Nem sempre os smartphones que saem na frente nas avaliações dos profissionais da área de tecnologia são perfeitos para todos os usuários; isso porque cada pessoa tem uma necessidade específica e espera algo diferente de um dispositivo.

Pensando nisso, o Google criou uma ferramenta interessante para ajudar a escolher o Android ideal, de acordo com a expectativa do usuário. O site chamado “Which Phone” (Qual Telefone, em tradução livre) promete encontrar o modelo de smartphone que mais combina com você.

Which Phone Android

Para isso, basta responder três ou mais perguntas rápidas sobre quais recursos você mais usa em um smartphone – tirar fotos, ouvir música, enviar mensagens, acessar redes sociais, etc. Em seguida, o Which Phone pergunta a frequência de uso de cada ferramenta e as características mais importantes. Nessa fase, o site pergunta, por exemplo, com que frequência você tira fotos e quais são as prioridades quando o assunto é a câmera do celular (selfies perfeitas, câmera potente, etc).

Por fim, o site oferece a opção de escolher uma operadora de telefonia preferida, mas as opções incluem apenas empresas norte-americanas. Para descartar essa parte, basta clicar em “Choose later”. Pronto, uma lista de dispositivos Android que correspondem às respostas escolhidas aparecerá.

Which Phone Android

Fonte: Canaltech

Como testar um site em diferentes resoluções de tela

usando computador

Vivemos na era mobile e por isso marcar presença em dispositivos móveis é algo muito importante para as empresas que querem manter uma boa aproximação com o seu público. Se você está desenvolvendo um site, pode ser muito interessante verificar sua aparência em diversos tipos de dispositivos.

Existem algumas ferramentas que podem facilitar o seu trabalho; veja algumas dicas:

WhatIsMyScreenResolution

O WhatIsMyScreenResolution é uma página que permite visualizar como o seu site é visto em diferentes tamanhos de tela. Para utilizá-lo, basta digitar a URL do site que deseja consultar e escolher o tamanho da tela que será verificada.

Além disso, também é possível escolher entre vários aparelhos específicos categorizados de acordo com o seu tipo (tablet, smartphone ou televisão).

WhatIsMyScreenResolution

Responsinator

O Responsinator funciona de maneira semelhante ao WhatIsMyScreenResolution. Basta digitar o endereço do site que a ferramenta simula o layout em alguns dos dispositivos mais populares do mercado (como iPhone, iPad, Androids e Kindle).

Além disso, é possível navegar pelo site que você estiver testando e simular a usabilidade a partir de outras resoluções. O serviço é gratuito e não exige cadastro para ser utilizado.

Responsinator

Screenfly

O Screenfly é mais um emulador online que permite testar uma gama de aparelhos (incluindo televisores). Com ele, é possível compartilhar as capturas de tela e modificar sua orientação, entre outros recursos. Uma régua de pixels também ajuda nos testes. Para utilizar o Screenfly basta digitar a URL desejada.

Screenfly

Usando o Chrome

O Google Chrome também oferece uma ferramenta para ajudar a identificar problemas iniciais de desenvolvimento de sites para diferentes telas. Para utilizar esse recurso, vá até o menu do Chrome > “Mais Ferramentas” > “Ferramentas do desenvolvedor” (ou use o atalho “Ctrl + Shift + I”).

Um painel irá aparecer à direita da tela; clique sobre o ícone do celular. Agora, à esquerda, selecione o aparelho que deseja testar em “Device”. Por fim, digite o endereço do site que você quer testar na barra de endereços do navegador. Caso já esteja com ele aberto, basta recarregar as páginas desejadas.

Chrome User Device

Usando o Firefox

O User Agent Switcher é um complemento disponível tanto para o Firefox quanto para o Chrome. Ele adiciona um menu e um botão na barra de ferramentas do navegador para alternar o agente de usuário do browser permitindo, assim, a emulação de um dispositivo móvel no desktop.

O User Agent Switcher pode ser executado em qualquer plataforma suportada pelo Firefox, incluindo Windows, OS X e Linux.

User Agent Switcher
Fonte: Canaltech

8 aplicativos que todo blogueiro deve ter no tablet ou smartphone

Google Docs

Uma das possibilidades mais interessantes oferecidas pela internet é a facilidade com que qualquer pessoa pode se tornar criadora de conteúdo. Logicamente que criar algo não significa ter audiência, mas a proliferação de espaços como os blogs permitiu a muita gente dar vazão a talentos que, de outra forma, ficariam ocultos.

Com a popularização de tablets e smartphones, ficou ainda mais fácil produzir conteúdo para a internet, especialmente quando se fala em textos. Isso porque esses gadgets oferecem aplicativos diversos para você criar, postar e compartilhar conteúdo – e isso em basicamente qualquer lugar em que haja uma conexão com a internet.

Nós selecionamos alguns aplicativos essenciais para todo mundo que tem ou pretende ter um blog. A lista inclui plataformas para postagem, editores de texto inteligente, serviços de armazenamento nas nuvens, editores de imagem e ainda um dicionário para você ter ainda mais recursos para escrever seus textos.

1. WordPress

Apps para blogueiros

O WordPress é a plataforma de blogs mais utilizada no planeta e também oferece um serviço próprio de hospedagem. Quem quer uma página, mas não quer ter o trabalho de programar tudo, pode optar pelo sistema pronto deste serviço, que oferece muito além do básico para você fazer postagens e acompanhar tudo depois. Ele está disponível para Android e iOS.

Porém, há diversos outros serviços populares disponíveis na web. Ou seja, você deve ter instalado em seu portátil o app da plataforma de blog que utiliza. Algumas outras opções incluem Blogger (Android|iPhone/iPad), Tumblr (Android|iPhone/iPad) e Medium (iPhone/iPad).

2. Writer

Apps para blogueiros

Digitar em um tablet ou smartphone pode não ser uma tarefa exatamente simples, nem tanto porque as teclas são menores do que em um teclado físico, mas principalmente porque as constantes notificações que chegam até você podem ser uma grande distração.

Pensando nisso, programadores criaram o Write, um editor de texto focado na produtividade. É um bom espaço para você redigir seus textos e, depois de pronto, copiar e colar no editor do app de sua plataforma de blog. O app é exclusivo para Android.

3. Google Docs

Apps para blogueiros

Se você pensa na possibilidade de realizar postagens pelo smartphone ou pelo tablet, significa que deseja fazer isso de forma remota. Isso implica em ter ferramentas integradas para poder criar conteúdo de um lugar, como o seu PC, e acessar tudo em outro, como no seu celular.

Uma boa forma de fazer isso é usar o Google Docs, o editor de textos online do Google integrado ao Goolge Drive. Assim, você consegue começar a redigir um texto em um dispositivo e concluir em outro, seja ele um tablet, um smartphone ou um PC. O app está disponível para Android e iOS.

4. Dicionário Priberam

Apps para blogueiros

Para quem gosta de saber o significado das palavras, como se conjuga um verbo ou ainda encontrar sinônimos para não repetir um termo no seu texto, um dicionário é sempre uma boa pedida. Tratando-se da língua portuguesa, um dos mais interessantes para você carregar consigo no celular é o Priberam.

Ele foi um dos primeiros dicionários gratuitos na web a se adaptar ao Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa e, apesar de ser português, contém uma “versão brasileira” de todas os seus verbetes, bem como inúmeros termos específicos da nossa versão do idioma luso. O app tem versões para Android, iOS e Windows Phone.

5. Snapseed

Apps para blogueiros

A internet é um espaço multimídia, logo trabalhar com imagens como apoio ao texto é essencial para tornar seu conteúdo mais atraente aos olhos dos leitores. Assim sendo, ter uma boa ferramenta para tratar as imagens antes de postá-las na web é essencial e isso pode ser feito diretamente de um dispositivo portátil.

O Snapseed é um editor de imagens adquirido pelo Google e que não deixa a desejar quando o tema é aplicar filtros e realizar ajustes profundos em relação a cor, exposição, brilho, contraste e outros quesitos técnicos de uma imagem. Ele está disponível para Android e iOS.

6. Pic Stitch

Apps para blogueiros

Foram tantas as fotos boas que só uma montagem reunindo diversas delas daria conta de mostrar tudo? Então o Pic Stich pode ser bem útil. Este programa é focado em fazer colagens com imagens, oferecendo diferentes molduras para você esbanjar estilo na hora de fazer as suas criações.

E ele é bem simples de ser usado, permite controle rápido direto da ponta do dedo e oferece resultados bastante satisfatórios. Sem dúvida, é uma das melhores opções quando se fala em colagens de fotografias. Ele está disponível para Android, iOS e Windows Phone.

7. Phonto

Apps para blogueiros

Você tirou uma foto para postar em seu blog e é algo que, de tão exclusivo, deveria levar uma marca d’água da sua página? Pois o Phonto vai ajudar você nisso. Este aplicativo gratuito serve para que, rapidamente, você possa incluir uma frase em qualquer fotografia.

É um jeito bem básico e eficaz de garantir que suas fotografias não serão reproduzidas sem os devidos créditos. Além disso, como a função do Phonto é escrever em fotos, você pode usar a sua criatividade para criar belas imagens de capa para as suas postagens, por exemplo. Ele tem versões para Android e iOS.

8. Hootsuite

Apps para blogueiros

Por fim, a última dica é o Hootsuite, um app para você replicar seus conteúdos em seus principais perfis de redes sociais. Ele tem uma versão gratuita, que é limitada, mas pode dar conta de suas necessidades iniciais — depois, caso você queira algo maior, pode investir em um plano mensal.

De qualquer forma, ele funciona de maneira eficiente e permite a você postar no Facebook e no Twitter de uma só vez, algo bem interessante para aumentar a publicidade de suas postagens. O app conta com versões para Android e iOS.

Fonte: Canaltech

Como rastrear seu Android perdido ou roubado

Gerenciador de dispositivos Android

Há algum tempo, o Google lançou um serviço para facilitar a vida dos usuários que perderam ou tiveram seus tablets ou smartphones Android roubados. Trata-se de um sistema de rastreamento que permite encontrar o aparelho — e que pode ser útil, inclusive, caso você tenha perdido o gadget dentro de casa.

Por meio de um mecanismo bem simples, no qual você deve apenas se logar em sua conta Google, é possível ter uma ideia do local em que se encontra o dispositivo. Mesmo que ele não esteja com o GPS ativado, a ferramenta é capaz de rastrear e obter a localização exata do gadget, mesmo com uma pequena margem de erro.

Nas dicas a seguir, ensinamos como ativar esse recurso do Google. Mas primeiro, vamos mostrar como deixar seu aparelho rastreável, algo essencial para que a localização funcione quando o tablet ou celular desaparecer.

Ativando o Gerenciador de Dispositivos Android no smartphone/tablet

1. Abra a gaveta de aplicativos e encontre o app Config. Google.

Rastrear dispositivo Android

2. Na tela seguinte, ative as opções Localizar remotamente o dispositivo e Permitir bloqueio e limpeza remotos.

Rastrear dispositivo Android

3. Vá às configurações do Android e encontre a opção Localização. Mantenha a chave no modo Ativado. Com isso, você pode encontrar, bloquear e até mesmo apagar todo o conteúdo do seu dispositivo remotamente. Este recurso é essencial para ao menos manter a segurança de seus dados quando o gadget é perdido ou roubado.

Rastrear dispositivo Android

Rastreando seu dispositivo

1. Agora que você já deixou seu aparelho rastreável para o Google, acesse a página do rastreador de dispositivos Android.

2. Após fazer login, a próxima tela apresenta uma janela flutuante em cima de um mapa. Note que, de início, o sistema informa que está tentando fazer conexão com o seu aparelho.

Rastrear dispositivo Android

3. Dentro de alguns instantes, caso ele consiga estabelecer contato, as informações sobre o dispositivo aparecem na tela. No mapa, o serviço indica a localização aproximada do aparelho – perceba que ele informa uma precisão de 21 metros, ou seja, seu gadget está em um raio de 21 metros do ponto indicado no mapa.

Rastrear dispositivo Android

4. Agora que seu aparelho foi encontrado, você pode escolher uma entre as três opções disponíveis:

  • Tocar – Se você perdeu seu aparelho dentro de casa, ative esta opção para que ele comece a tocar. Assim, você consegue ouvir o barulho de seu ringtone e encontrar o dispositivo;
  • Bloquear – Esta opção serve para bloquear o aparelho e redefinir a senha de liberação. O recurso é ideal caso você tenha perdido o gadget, mas sabe que existe a possibilidade de encontrá-lo;
  • Apagar – Esta opção irá apagar completamente todos os dados do seu aparelho e não há como voltar atrás. A função pode ser bastante útil caso você tenha perdido definitivamente seu tablet ou smartphone, ou então ele tenha sido roubado.

E assim você conseguiu rastrear seu aparelho para descobrir onde ele estava. Além disso, já sabe que é possível bloqueá-lo ou mesmo apagar todos os seus dados à distância, evitando assim transtornos ainda maiores quando seu Android foi roubado ou perdido.

Fonte: Canaltech